Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mil e uma maneiras de ver as coisas

Mil e uma maneiras de ver as coisas

Ignorar

Li um texto que me inspirou que falava sobre como hoje em dia, em termos de relacionamentos, a regra é quem ignora mais quem, que ninguém quer ser aquele que quer mais, que atitudes como demorar horas ou dias a uma mensagem são normais (que faz parte do "jogo"). Esse mesmo texto referia que este tipo de "jogo" não é bom, mas que é o que acontece na realidade.

http://jafoste.net/18-verdades-crueis-sobre-os-relacionamentos-modernos-que-tu-vais-ter-que-encarar/

Este é o link para o dito texto. É um texto muito bem estruturado e muito bem escrito.

 

Este tipo de "jogo" não é saudável e estraga a nossa sociedade. Nunca se sabe se a pessoa está a ignorar porque faz parte do"jogo" ou se está a ignorar porque efetivamente não quer saber. 

Quando se gosta faz-se um jogo de sedução claro. Não se joga logo as cartas todas na mesa. Há sempre aquele dar um pouquinho e depois tirar um pouquinho. É natural. Mas o tipo de comportamentos descritos no texto fazem mesmo transparecer um desligar da entrega e do convívio real. Quando se gosta é-se natural.

Há uma frase do filme: A Lista do Ex que descreve o que devia acontecer nos relacionamentos que é: eu sou feliz quando sou eu mesma e eu sou eu mesma quando estou contigo. Deve ser assim. Deve-se ser natural. Ser sincero. 

 

 

 

Tenho tanto sentimento

 

Tenho tanto sentimento

Que é frequente persuadir-me

De que sou sentimental,

Mas reconheço, ao medir-me,

Que tudo isso é pensamento,

Que não senti afinal.

Temos, todos que vivemos,

Uma vida que é vivida

E outra vida que é pensada,

E a única vida que temos

É essa que é dividida

Entre a verdadeira e a errada.

Qual porém é a verdadeira

E qual errada, ninguém

Nos saberá explicar;

E vivemos de maneira

Que a vida que a gente tem

É a que tem que pensar.

                            Fernando Pessoa

 

Exigir ou não exigir

Como saber quando se é exigente demais?

Às vezes vemo-nos confrontados com a possibilidade de ser exigente demais ou ser exigente de menos. Há pessoas que são naturalmente descontraídas. Há pessoas que são menos descontraídas. 

Há pessoas que, por uma questão de personalidade, não conseguem simplesmente ter calma. Há traços de personalidade que não se conseguem mudar. Muitas vezes as pessoas menos descontraídas gostavam de ser mais descontraídas mas não conseguem.

Às vezes cansa ouvir as pessoas a dizer que se exige demais, que não se tem calma, etc, etc. É suposto ter-se calma sim. É suposto, quando duas pessoas são compatíveis, tolerarem os "defeitos" umas das outras. Quando se é compatível, é-se compatível. 

É suposto ter-se calma e não querer tudo ao mesmo tempo, isso é certo. Sem calma há exageros e atos precipitados que nem sempre correm bem. Mas quem gosta, gosta. Quem gosta não espera muito para convidar para sair. Quem gosta pode precisar de uma dica assim como a pessoa está disponível, mas tendo essa dica, não hesita em convidar. 

Hoje em dia é suposto tolerar-se tudo. Eu estou como a personagem Ted Mosby da série How I Met Your Mother: a pessoa que gostar realmente, que for realmente compatível vai gostar e entender até os nossos defeitos mais irritantes. 

 

 

Ser eu

 Muitas vezes precisámos da valorização dos outros para nos sentirmos bem connosco próprios. Isso é errado. Ficámos a depender da aprovação dos outros ou de uma palavra deles para nos sentirmos bem. Isso não deve ser assim.

Devemos gostar de nós próprios simplesmente. Nós somos seres únicos. Ninguém é igual a ninguém. A nossa personalidade e maneira de ser é só nossa. Ninguém reage da mesma forma perante as mesmas situações. Toda a gente tem reações e respostas diferentes perante exatamente as mesmas situações. 

Ser único e original é muito bom. Ser diferente não é uma coisa má. Dizem que não é "fixe" ser nerd. Para a maioria das pessoas ser nerd é gostar de estudar e não ter grandes capacidades de socialização. É verdade que a maioria das pessoas denominadas de nerds gostam de estudar e não são as almas das festas. Mas se nos dermos ao trabalho de falar com os ditos nerds vemos que são pessoas engraçadas, extrovertidas quando conhecem as pessoas e atraentes. 

Cada um escolhe a sua forma de ver e viver o mundo. Pessoalmente nunca me quis ver como nerd. Em determinados períodos da minha vida escondi essa parte da minha personalidade. Ser nerd não era "fixe". Até que percebi que ser nerd é "fixe". Ser nerd é ser eu. 

 

Pág. 1/5

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D